Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Feriado e Restrições de Veículos

É importante ficar atento para as restrições de veículos no Brasil/Argentina durante o feriadão de carnaval que se aproxima. Confira as informações abaixo e programe-se:

Restrições de veículos:

BRASIL - Combinações de Veículos de Carga e demais veículos portadores de Autorização Especial de Trânsito (AET).

09/02 das 16h às 22h
10/02 das 6h às 12h.
13/02 das 16h às 22h
14/02 das 6h às 12h

ARGENTINA - Para veículos de carga com PBT superior a 3.500Kg.

09/02 das 20h às 23h59min
13/02 das 20h às 23h59min

Fique atento também ao horário dos portos secos da RFB no Rio Grande do Sul:

Não haverá expediente por parte da Receita Federal do Brasil no dia 10/02 nos portos secos, com exceção de Uruguaiana e São Borja. Segue abaixo a tabela completa de horários divulgada pela Multilog:

 

0drek7v98yla

Leia Mais
Suspensão das exigências da SUROC

De acordo com o Oficio Circular nº 03/2018/SUROC, em decorrência da ampliação para 65 mil toneladas de cota acordada bilateralmente entre os Governos do Brasil e Peru, foi definida a suspensão da exigência de encaminhamento a ANTT da documentação requerida pelo Oficio anterior, para comprovação de emissão de um Conhecimento Internacional de Transporte Rodoviário (CRT) por cada habilitado ao trafego bilateral, enviado em 18 de janeiro de 2018.

A ABTI como instrumento de representação e fonte de informação para os transportadores, manifestou o recebimento do primeiro oficio e entrou em contato imediatamente com a Assessoria Técnica para o Transporte Internacional – ASTEC (ANTT) solicitando o aumento da cota ao Peru.

Na última reunião bilateral, na cidade de São Paulo, nos dias 23 e 24 de novembro de 2017, as cotas de transporte rodoviário de cargas, entre o Brasil e Peru, foi um dos principais temas discutidos pois este é o único país que ainda mantém restrições de capacidade de carga. Na edição passada da revista Cenário do Transporte você pode conferir o artigo completo sobre as desvantagens geradas pelo sistema de cotas para o transporte internacional de cargas entre o Brasil e os demais países.

A Associação Brasileira de Transportadores Internacionais espera que, na próxima reunião bilateral que acontecerá ainda em março de 2018, o Peru aceite a proposta com a eliminação das cotas, visando a relevância do transportador para a efetiva evolução das duas nações.

Leia Mais

Foi publicada no Diário Oficial da União, na última sexta feira (26/01), a Instrução Normativa RFB n° 1.785, de 2018, decorrente da necessidade de simplificar o processo de certificação dos intervenientes da cadeia logística como OEA e de promover aprimoramentos em alguns procedimentos existentes e na norma relativa ao Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado (Programa OEA).

Através da Receita Federal, o Programa OEA realiza certificação de diversos membros da cadeia logística que possuem baixo grau de risco em suas operações de comércio exterior, tanto em termos de segurança física da carga quanto em relação ao cumprimento de suas obrigações aduaneiras.

Devido a sua consolidação desde seu lançamento, em 2014, se fez necessário simplificar o processo de certificação dos membros que utilizam o OEA, com o objetivo de agilizar o processo de certificação, respeitando a estrutura Normativa do SAFE da Organização Mundial de Aduanas (OMA), bem como tendo como parâmetro a boa prática internacional, em especial a União Europeia e os Estados Unidos da América.
A nova norma altera a Instrução Normativa RFB n° 1.598, de 2015, sendo que dois temas principais são foco dessa alteração objetivando dar mais celeridade ao processo:

1 – simplificação de alguns procedimentos existentes e da norma relativa ao Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado destacando-se:

a) ajustes nos critérios de Elegibilidade, Segurança e Conformidade, reduzindo o escopo de análise e excluindo critérios desnecessários ou redundantes. Nota-se a redução significativa nos critérios de Conformidade, passando de 11 (onze) para 8 (oito);

b) criação de um novo Anexo II, denominado "Objetivos e Requisitos" cujo foco principal é apresentar ao requerente o que é obrigatório em relação a cada critério do Programa, trazendo mais transparência ao processo e permitindo que todos os interessados saibam exatamente o que será avaliado no processo de certificação;

c) a descontinuidade do Relatório Complementar de Validação (RCV), sendo substituído pelo gerenciamento de riscos nos moldes da ISO 31.000, que já é de amplo conhecimento por parte das empresas brasileiras;

d) a possibilidade de certificação mais rápida através do histórico do interessado e da possibilidade de dispensa de validação de alguns critérios durante a análise do pleito, sem perder, entretanto, qualidade ou controle do processo.

2 - descentralização da execução das atividades relativas à certificação e ao monitoramento dos OEA, por meio da criação das Equipes de Gestão de Operador Econômico Autorizado, em 7 (sete) Centros Regionais localizados em algumas Regiões Fiscais.

Devido ao grande interesse por parte das empresas, demonstrado pela quantidade de empresas já certificadas e de pedidos de certificação em análise, conclui-se que a estrutura antes pensada precisava expandir e ramificar. Ademais, considerando a dimensão do país e a existência de estruturas operacionais da Receita Federal em todos os estados brasileiros, após estudos de viabilidade, decidiu-se por descentralizar toda a atividade operacional de certificação e monitoramento das empresas OEA, saindo da competência o Órgão Central, especificamente a Coana, e passando para equipes específicas localizadas em algumas Regiões Fiscais.

Assim, com a publicação do novo Regimento Interno da RFB, foram criadas as seguintes Equipes de Gestão de Operador Econômico Autorizado (EqOEA):

a) Alfândega do Porto de Manaus;
b) Alfândega de Recife;
c) Alfândega de Belo Horizonte;
d) Alfândega do Aeroporto Internacional de Viracopos;
e) Alfândega do Porto de Santos;
f) Delex São Paulo; e
g) Alfândega de Curitiba.

Para garantir a uniformidade de procedimentos em todos os centros regionais, a gestão do programa OEA caberá à recém-criada Divisão de Gestão de Intervenientes no Comércio Exterior (Digin).

A ABTI está preparando um seminário itinerante para auxiliar as empresas na organização para sua qualificação. O primeiro está sendo organizado para o dia 22 de março em Porto Alegre.

Leia Mais

Rua General Bento Martins, 2350
Uruguaiana - RS - Brasil
Cep: 97501-546
abti@abti.org.br

logoBoto

Siga-nos

face twitter in

+55 55 3413.2828
+55 55 3413.1792
+55 55 3413.2258
+55 55 3413.2004